Como praticar Pilates na gravidez

Postado em 22/06/2017

Como praticar Pilates na gravidez

Nem uma caminhada leve era permitida, pois, o medo de ter um parto prematuro ou perder a criança era grande. Os profissionais de saúde acreditavam que a gestante deveria ter repouso e as atividades físicas eram terminantemente proibidas. Mas, com o avanço da medicina, principalmente através de pesquisas, foi possível observar os inúmeros benefícios que a prática de exercícios durante a gestação promoveu tanto para a mãe quanto para o bebê. Ficou evidente a redução de problemas durante a gestação e no parto e os recém-nascidos eram mais saudáveis.

 Fortalecimento muscular e bem-estar mental

 A regra de não poder erguer peso continua e por isso, a musculação não é uma boa prática para as gestantes. Uma forma de se manter ativa durante essas 40 semanas e que tem sido bastante procurado é o Pilates. Ele consegue fortalecer a musculatura como um todo, dar mais equilíbrio (isso é muito importante porque durante a gravidez o centro de equilíbrio da mulher muda de lugar indo mais para frente para equilibrar o peso da barriga com o restante do corpo), é possível até mesmo treinar a musculatura do períneo para o momento do parto e como os músculos dessa região estarão mais fortes, voltarão ao seu estado normal muito mais rápido do que o normal.

 Ajuda no equilíbrio e na incontinência urinária

 O exercício também oferece baixo impacto, regulação na respiração (o que muito importante, pois, nos meses finais a respiração da gestante fica mais difícil já que a barriga empurra o diafragma um pouco mais para cima reduzindo o espaço pulmonar no momento da inspiração), maior flexibilidade e relaxamento, tanto corporal como emocional.

O principal foco do Pilates na gravidez são os músculos do core, que são os responsáveis por proporcionar maior equilíbrio para o corpo, e a musculatura do assoalho pélvico. Com o fortalecimento deste é possível prevenir a incontinência urinária bastante comum entre as gestantes já que a bexiga fica de tamanho reduzido por causa do tamanho da barriga e a urgência de ir ao banheiro fica cada vez maior. Com os músculos do assoalho sendo fortalecidos, a mulher vai conseguir segurar por mais tempo a urina e evitar constrangimentos. Já o fortalecimento com foco nos músculos do core ajuda nas dores na coluna, principalmente na região lombar que aumenta a sua curvatura, comum em gestantes.

 Possíveis Riscos

 O melhor método de Pilates na gravidez é o método tradicional, ou seja, aquele feito com aparelhos. Ele não exige um grande esforço por parte do indivíduo, ajuda a dar mais equilíbrio e apoio durante os exercícios. Existem alguns cuidados que as futuras mamães devem tomar antes de começar as sessões de Pilates. Normalmente, o profissional irá lhe pedir um documento no qual o seu médico te libera para fazer esse tipo de exercício e só assim, sem maiores riscos será possível dar início.

Qualquer detalhe a mais que necessite de cuidados extras durante o Pilates é preciso ser esclarecido:

A frequência cardíaca não deve ficar acima de 120 batimentos por minuto;

Os exercícios sempre devem ser acompanhados por um profissional;

Não é adequado fazer muita pressão com a barriga para não comprimir e o bebê ou até mesmo sufocá-lo;

 Contra-indicações

 Há alguns anos, quando as mulheres ficavam grávidas era normal que elas não fizessem nenhum tipo de exercícios físicos e o mínimo de esforço possível. Nem uma caminhada leve era permitida, pois, o medo de ter um parto prematuro ou perder a criança era grande. Os profissionais de saúde acreditavam que a gestante deveria ter repouso e as atividades físicas eram terminantemente proibidas. Mas, com o avanço da medicina, principalmente através de pesquisas, foi possível observar os inúmeros benefícios que a prática de exercícios durante a gestação promoveu tanto para a mãe quanto para o bebê. Ficou evidente a redução de problemas durante a gestação e no parto e os recém-nascidos eram mais saudáveis.

Fortalecimento muscular e bem-estar mental

 A regra de não poder erguer peso continua e por isso, a musculação não é uma boa prática para as gestantes. Uma forma de se manter ativa durante essas 40 semanas e que tem sido bastante procurado é o Pilates. Ele consegue fortalecer a musculatura como um todo, dar mais equilíbrio (isso é muito importante porque durante a gravidez o centro de equilíbrio da mulher muda de lugar indo mais para frente para equilibrar o peso da barriga com o restante do corpo), é possível até mesmo treinar a musculatura do períneo para o momento do parto e como os músculos dessa região estarão mais fortes, voltarão ao seu estado normal muito mais rápido do que o normal.

Ajuda no equilíbrio e na incontinência urinária

 O exercício também oferece baixo impacto, regulação na respiração (o que muito importante pois, nos meses finais a respiração da gestante fica mais difícil já que a barriga empurra o diafragma um pouco mais para cima reduzindo o espaço pulmonar no momento da inspiração), maior flexibilidade e relaxamento, tanto corporal como emocional.

O principal foco do Pilates na gravidez são os músculos do core, que são os responsáveis por proporcionar maior equilíbrio para o corpo, e a musculatura do assoalho pélvico. Com o fortalecimento deste é possível prevenir a incontinência urinária bastante comum entre as gestantes já que a bexiga fica de tamanho reduzido por causa do tamanho da barriga e a urgência de ir ao banheiro fica cada vez maior. Com os músculos do assoalho sendo fortalecidos, a mulher vai conseguir segurar por mais tempo a urina e evitar constrangimentos. Já o fortalecimento com foco nos músculos do core ajuda nas dores na coluna, principalmente na região lombar que aumenta a sua curvatura, comum em gestantes.

Possíveis Riscos

 O melhor método de Pilates na gravidez é o método tradicional, ou seja, aquele feito com aparelhos. Ele não exige um grande esforço por parte do indivíduo, ajuda a dar mais equilíbrio e apoio durante os exercícios. Existem alguns cuidados que as futuras mamães devem tomar antes de começar as sessões de Pilates. Normalmente, o profissional irá lhe pedir um documento no qual o seu médico te libera para fazer esse tipo de exercício e só assim, sem maiores riscos será possível dar início.

Qualquer detalhe a mais que necessite de cuidados extras durante o Pilates é preciso ser esclarecido:

A frequência cardíaca não deve ficar acima de 120 batimentos por minuto;

Os exercícios sempre devem ser acompanhados por um profissional;

Não é adequado fazer muita pressão com a barriga para não comprimir e o bebê ou até mesmo sufocá-lo;

 

Contra-indicações

 As gestantes não devem praticar Pilates na gravidez se tiverem algum tipo de complicação como placenta baixa ou prévia ou qualquer tipo de anormalidade que coloque o bebê em risco. O Mat Pilates ou Pilates no solo não é adequado para esse momento, pois, exige muito da musculatura e do equilíbrio e também não oferece muito apoio ao corpo durante os movimentos. Qualquer tipo de sinal ou sintoma deve ser avisado ao profissional que está por perto como tonturas, falta de ar, qualquer perda de líquido pela vagina, entre outros. Quando qualquer coisa desse tipo acontecer pare imediatamente os exercícios e vá ao médico para ter a certeza de que tudo está bem.

 

 

Outras Notícias

 

O que é Pilates e quais os seus Benefícios
Postado em 15/06/2017

O método foi desenvolvido por Joseph Pilates um alemão que passou toda a sua infância com problemas de saúde como raquitismo, asma e febre reumática.

Já imaginando o seu futuro numa cadeira de rodas e sempre dependendo de outras pessoas para as t...
leia mais »

EXERCÍCIOS DE RELAXAMENTO PARA O PILATES
Postado em 08/06/2017

A proposta de hoje é beneficiar os pilateiros com um pouco de alongamento, relaxamento e equilíbrio antes ou depois da aula de Pilates.

Todos os exercícios físicos proporcionam um melhor rendimento f&i...
leia mais »

PILATES DURANTE A MENOPAUSA
Postado em 01/06/2017

A menopausa é um dos eventos biológicos que acontece na vida de todas as mulheres com idade entre 40 à 45 anos de idade, e pode refletir tanto na mente como no corpo.

Os sintomas da menopausa variam de mulher...
leia mais »